segunda-feira, julho 13, 2009

Esperando setembro...

Se andei triste por conta de um tempo que não volta mais. Se andei triste por momentos que talvez eu tenha dado mais importância que aqueles que os compartilharam comigo. Se andei triste ontem, hoje, sinto a alegria de saber que uma pessoa querida – que o tempo e as circunstâncias da vida acabaram por afastar de mim – acompanhou minha trajetória, minhas alegrias e tristezas, meus caminhos e descaminhos. De longe. Sempre pensando na amizade que tínhamos. Não há nada mais confortante que isso: sentir ser realmente querido por alguém, sem obrigação. E, hoje, eu pude sentir isso. E como me fez feliz!

A vida virtual proporcionou nosso reencontro. E, hoje, sigo ansiosa por setembro, para dar aquele abraço apertado, na amiga tão querida e nunca esquecida.

4 comentários:

  1. Debora Coelho24/07/2009 18:17

    Luuuu!
    Que querida! Muito obrigada! Espero que possamos nos reencontrar sem pressa, e colocar a conversa em dia.

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  2. humm eu tb quero revê-la!!! =D

    ResponderExcluir
  3. E nada como fazer isso na Primavera!
    Bjo

    ResponderExcluir
  4. DIVINISMO
    Recolhe-te filho Meu ao Templo Interior,
    E em silêncio escuta-Me, entende o Meu falar;
    Tanto Me tens procurado fora, no templo exterior,
    Enquanto que Eu, o teu Pai, no íntimo desejo comungar.

    A Verdade é Minha Lei, e detesto a idolatria,
    Movimento a Lei dos Fatos, e aborreço a simulação;
    E tu nisso é que teimas, espargindo a falsa teoria,
    Pois cometendo semelhantes erros, perpetuas a corrupção.

    Minha Inteligência é um Predicado Meu em ti,
    O Meu Afeto é uma Virtude Minha que te entreguei;
    O Meu poder de Ubiqüidade te aguarda, mas com frenesi,
    Tu de Mim desvias, filho Meu, que com tanto Amor criei.

    Não confias na decência de conduta, na Bondade,
    E tratas mal ao teu irmão, aquele outro filho Meu;
    Dos corruptores compras simulacros, e bem que amiúde,
    Te alegras com o mal, daquele infeliz irmão que te sofreu.

    Retorna Meu filho, volta ao Meu Regaço,
    Observa esta Lei, de Verdade, Amor e Justiça;
    Vai, procura o teu irmão, e oferta-lhe pois o braço,
    Para que assim te abrace Eu, e gozes da gloriosa liça.

    Não aceito liturgias, que isso nunca foi Meu,
    E repilo os simulacros, pois não Sou de fingir;
    Quero tuas Obras Boas, como as daquele Ungido Meu,
    Para assim seres Meu Verbo, e teres a Glória no porvir.

    Transmito a Minha Ordem, pelo Anjo Mensageiro,
    E no CÓDIGO IMORTAL, lembro-te a Verdade Redentora;
    A Verdade acima de tudo, pois Eu Sou o Eterno Despenseiro,
    Sou a Origem e a Vida, e te convido à Conduta Emancipadora.
    (www.divinismo.org)

    ResponderExcluir